Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Viva o manifesto! Morte ao manifesto!

por Francisco Teixeira, em 21.03.14

A ideia de manifesto é, em si,nobre: dá voz à sociedade civil obrigando quem decide a mudar. Ou, pelo menos, a parar para pensar. É uma espécie de sentido inverso ao do voto, um wake up call: o povo escolhe os eleitos para governar, o povo elege os seus governantes, quando estes falham o povo faz-se ouvir. O manifesto dá menos trabalho do que uma manifestação, custa zero para o Estado (o que nos tempos que correm é rara excepção..), ajuda a mobilizar sem limites, enche páginas de jornais. O manifesto é um bom instrumento.

Mas como em tudo na vida a cópia é sempre pior do que o original. E como em tudo em Portugal, a nossa criatividade serve sempre para matar e desvirtuar, até os bons instrumentos. O último manifesto é disso um exemplo fantástico. Não falo do manifesto dos 70 que, gostemos ou não, concordemos ou não (no meu caso discordo do timing e da ideia ímplita que acarreta de que "não pagamos") tem o mérito de nos ter colocado a falar sobre um aspecto relevante: seremos ou não capazes de pagar as contas?. 

Agora o pífio intuito de se criar um novo manifesto desta vez com gente de fora (74 personalidades, uma delas o escritor da "Austeridade" - uauuuuu, estou com pele de galinha...) é, em si, de uma desonestidade inteletual assustadora. Francisco Louçã escreveu a uns amigos académicos e pediu para aderirem à causa dos 70 depois de ter percebido, no fim-de-semana passado, que a causa estava perdida. Os amigos do Professor Louçã assinaram o manifesto, a notícia foi dada aos jornais que a exibem em parangona: "74 personalidades internacionais apoiam hair-cut da dívida". 

Na política, como em tudo na vida, a verdade de hoje é a mentira de amanhã, a impossibilidade de hoje é a realidade de amanhã. Louçã e os seus amigos académicos assinam um documento que, depois, é apoiado e ampliado por Ferreira Leite e Bagão Félix. Se o ouvisse em 2011 responderia chapa-cinco sem parar para pestanejar: "Jamais". 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:13



Pesca


Bacalhau


Apanhados.

A voz




Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D



Mensagens